sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Epítome de uma Distância


Não pares!
Perde-Te no momento, mesmo quando o administras… e ministras. Não paralises. Não Te detenhas no feitiço dos suspiros que Ela desenha no ar. Corta-lhe o ar. Mão na sua garganta. Espreme! Trata de obstruir essa traqueia. Aperta. Não penses. Pausa. Inspira. Continua. Não pares! A venda agita-se. Os olhos dEla mexem-se mesmo sem conseguirem ver. Aprecia-o. Aprecia-A. Estima-A. Fotografa com os Teus olhos o instante em que Ela abre os lábios. Agora mexe-te! Desce a mão. Afasta-lhe as coxas. Invade-A. Clama-A. Quando comprimir as coxas como uma ostra, emprega o ensejo como algo proveitoso. É cooperação. Investe os dedos. Tecla-lhe gemidos. Contempla como se contorce. Silencia-A… com a boca. Numa colisão trapalhona de dentes. Ri, mas garante que o riso expira nesse beijo. Olhos bem despertos. Os dEla esvaecidos. Ela agarra-se à tua boca como se fosse a última coisa do seu mundo… o derradeiro elo tangível. És um deus para Ela. O destino dEla pertence-Te. Pequena Morte? Grande Morte? Corta-lhe novamente o ar. Afunda-lhe o polegar na traqueia. Atenta no seu rosto. Espera... Espera... Espera... Agora liberta-A. Ela engasga-se. Beija-A. Que o ar lhe ateste os pulmões. O teu Ar. Ela tosse por um breve instante. Afasta-te um pouco. Mas não lhe deixes tomar fôlego. Atira-A para o chão. Para o teu chão. Ela tropeça. A forma como o seu ombro bate no chão sacode-te um pouco, mas tens noção que Ela prezará a equimose. Ela não pensa em dor neste momento. Ela não pensa em todas as formas que empregaste para lhe contundir… para lhe deixar o fardo de deliciosos brasões que terá de carregar. Ela não pensa. Tu não pensas. Agora não há lugar para hesitações. Nem reflexões. Perde a tua mão num punhado dos seus cabelos. Sente o emaranhado em cada nó dos teus dedos. Puxa-a e hospeda os teus lábios no seu ouvido…

«Quero rasgar a Tua carne e fazer do Teu âmago o meu Lar. Quero foder-Te até perder a visão e ficar em pé de igualdade com essa venda. Quero fazer dos Teus suspiros a candeia que alumiará o meu Caminho até Casa.»

Sentirás as palavras voando através dos dentes e por uma fração de tempo, não te reconhecerás.

Não pares!


Texto originalmente escrito pelo poeta Eros. Convido todos a conhecer Suspiros de Libido,e se encantar,se maravilhar,se apaixonar,e desfrutar das obras desse grande escritor.

Beijos,Cris.

5 comentários:

  1. Keridas!

    estava c saudades desse cantinho,

    Bjooo

    ResponderExcluir
  2. Bacana o blog de vcs! muito tesão vcs duas!
    vou segui-lo!
    vcs dao uma otima entrevista para o Seximaginarium!
    topam?
    Convido vc a seguir o Sexiblog p quem gosta de
    #sexo #sexicine #seximagem #humor #noticia #pornô http://seximaginarium.net
    LEO

    ResponderExcluir
  3. Sensacional o blog....poderia voltar a postar!!!!

    ResponderExcluir
  4. Adorei o blog, já o sigo!
    Passa no meu e deixa um olá*

    ResponderExcluir
  5. Lindo blog! Gostei do texto. Parabéns! Vou voltar outras vezes. Beijos.

    ResponderExcluir